Casa & Construção

Arquitetura comercial: enaltecendo marcas e seus valores

Arquiteta enumera pontos essenciais no planejamento de um ambiente comercial, para potencializar seus produtos ou serviços

28 de novembro de 2023

Foto: Dennis Manske

Arquitetura comercial é um nicho de projeto dentre outros muitos no mundo da arquitetura. Ela é focada a atender um comércio e seus consumidores. São muitos pontos essenciais que precisam ser pensados antes de começar uma obra e a contratação de um profissional capacitado é essencial.

É através de um projeto arquitetônico bem elaborado que iremos garantir o melhor aproveitamento possível dos espaços físicos, teremos noção de custos de obra, iremos visualizar o projeto antes da execução, transmitiremos a identidade da marca através da arquitetura. Além disto, cada tipo de comércio (varejista, serviço, gastronômico, etc.) deve seguir uma linha específica de projeto para alcançar o seu público-alvo.

Veja alguns pontos essenciais a serem pensados na hora de projetar um ambiente comercial:

Comunicação visual da empresa – Ter um logotipo e uma comunicação visual definida da marca auxilia na escolha de cores para o projeto, na comunicação que o ambiente irá transmitir. Se a logomarca transmitir sensações de criatividade, alegria, cores etc., o ambiente, sem dúvida, irá seguir a mesma linha. O importante é existir conexão da marca com o espaço, para que haja uma conexão entre
consumidor e marca.

Valores e propósitos da empresa Este é um dos PRINCIPAIS aspectos a ser considerado em um projeto comercial. Pense em qual é a imagem que o seu estabelecimento quer passar. Assim como a comunicação visual fala por si só, o ambiente também precisa expressar sozinho as sensações. A história da marca precisa estar expressa no ambiente.

 

Promovendo experiências – Mais do que nunca, as pessoas buscam por experiências ao sair de casa. A arquitetura tem o poder de mexer com os sentidos e sensações das pessoas. Podemos aplicar conceitos de espaços sensoriais aos ambientes, transmitindo a essência da marca. Os 5 sentidos devem ser explorados: Tato, olfato, paladar, visão e audição. Eles são transmitidos através do toque do mobiliário, pelas cores, cheiros e sons do ambiente.

Foto: Dennis Manske

 

Ambientes instagrameáveis – Se você seguir as dicas básicas de como projetar um ambiente comercial, provavelmente o seu ambiente já será alvo do que chamamos de “propaganda voluntária”. A maioria faz questão de compartilhar suas experiências nas redes sociais quando estão em um ambiente bonito, aconchegante, alegre, com algo DIFERENTE. Lembre-se: Transmita sempre a essência da SUA MARCA e não copie a sua concorrência. Inspire-se nela.

 

Fluxos – Para cada caso existem técnicas a serem aplicadas para garantir um fluxo harmônico no estabelecimento. Em restaurantes, por exemplo, é de suma importância pensar no layout das mesas, fluxo de passagem de funcionários, fluxo na cozinha para não haver cruzamento entre saída de empratados e entrada de louça suja.
Em uma loja é importante posicionar os produtos de forma estratégica para induzir a compra, por exemplo, expor os produtos com a intensão de maior venda na altura de visão do consumidor.

Foto: William Bucholtz

 

Iluminação – Engana-se quem acha que a luz branca é a que ilumina mais! Ela existe para ambientes como cozinhas, hospitais, etc. Quanto mais próxima a cor da luz for à luz solar (amarelada/quente), maior a sensação de aconchego e tranquilidade no ambiente. Luminárias com facho de luz focal são interessante para dar destaque a algum objeto, detalhe ou produto na sua loja. Dica para provadores de loja: utilize iluminação frontal, evitando que as luzes vindo de cima destaquem aquela “imperfeição” no corpo, que só existe com este tipo de iluminação.

 

Normas e Leis – Atente-se às regras exigidas de acordo com cada norma e lei: plano diretor, bombeiros, vigilância sanitária, etc.

 

Orçamento – Quanto você tem ou está disposto a investir na sua obra? A respostas é de suma importância para que o profissional seja capaz de projetar um ambiente que esteja dentro das limitações do cliente. É essencial alinhar as expectativas com a realidade, evitando frustrações no futuro. De nada adianta ter um projeto de revista, se a execução não será viável. Com um bom detalhamento de projeto é possível prever os custos de uma obra.

Agora você já sabe a importância de fazer um bom projeto comercial. Não se esqueça que a primeira impressão é a que fica e um bom profissional pode te ajudar a alcançar este objetivo!

Por Anna Karoline Rohling, arquiteta e urbanista (CAU A135273-3) | Instagram: @annarohling.arq

Notícias relacionadas