Comunidade

Jovem envolvida em acidente na SC-110 pede ajuda da comunidade

Ocorrência de trânsito foi registrada no último sábado e resultou em duas vítimas fatais.

13 de março de 2022

Foto: Divulgação / Redes Sociais

Keila Kauane Pereira, de 15 anos, é uma jovem independente, vaidosa, tímida e estudiosa. Porém, a vida dela tomou um revés inesperado e triste. Isso porque, após um grave acidente ocorrido na SC-110, em Jaraguá do Sul, no último dia 05 de março, ela ficou paraplégica.

continua após a publicidade

Agora, a jovem pede a ajuda da comunidade, por meio de uma Vakinha On-line, para enfrentar esse momento tão difícil. O valor que a família pretende arrecadar é de R$ 25 mil

“Amo açaí e caldo de cana. Adoro viajar com meus pais e estar com minha família. Tenho vários sonhos, entre eles, quero ser Policial Militar. Por imprudência de pessoas que uniram bebida e volante, sofri um acidente com meus pais, Terezinha Aparecida Cardoso e Arloni Sidney Pereira”, conta, no relato feito no pedido de ajuda.

continua após a publicidade

A colisão frontal deixou duas vítimas fatais. No entanto, Keila a mãe e o pai foram resgatados e levados para o Hospital São José. “Eu, fraturei a vértebra da coluna e rompi os ligamentos que dão movimento aos membros inferiores. Por notícia médica e pela medicina, eu fiquei paraplégica, com zero chance de voltar a andar, mas eu não desisto e meu Deus não dorme. Enquanto existir um sorriso no meu rosto, eu nunca vou desistir de lutar para conquistar meus sonhos”, destaca.

Terezinha fraturou a perna em vários locais, no tornozelo, tíbia e pé. Ela vai precisar ficar com gaiola por um ano, porém, este não maior dos problemas. É que a mãe da jovem possui a Doença de Crohn, tendo que trocar, diariamente, uma bolsa de colostomia.

 

Foto: Fábio Junkes / OCP News

 

Já Arloni foi socorrido com lesões leves e ganhou alta no mesmo dia. Ele é quem está dando o suporte para a mulher e a filha no hospital. O pai de Keila trabalha com maquinários tirando madeira no mato.

“Agora, Arloni precisa agora ser nosso porto seguro, cuidando e dando atenção. Neste momento delicado, precisamos muito de ajuda, pois quem cuidará de mim e da minha mãe será meu pai, tendo que se ausentar muito do seu trabalho. Precisaremos de itens hospitalares, medicamentos, suplementações. Mudanças na casa como entradas, banheiros, quartos. Tudo gera um gasto e no momento não temos como bancar estes gastos. Então, qualquer ajuda é bem-vinda”, destaca Keila.

Quem quiser ajudar a família, pode fazer doações por meio da Vakinha On-line (clique aqui) ou, ainda, através do telefone / WhatsApp (47) 99693-4839.

Com informações: OCP News

 

Notícias relacionadas

Mais Lidas

Publicidade