Especiais

Conhecendo o mundo, pelos olhos maternos

Mãe explica para seu filho, autista e deficiente visual, todos os lances de um jogo do Flamengo, em Florianópolis

31 de julho de 2022

Cristina Souza e Marcos Felipe | Foto: Bob Gonçalves / Jornal de Pomerode

Seria um domingo normal, de uma família, em um estádio de futebol, torcendo pelo seu time do coração. No entanto, um vídeo postado no Instagram, mostrando o gesto de amor de uma mãe, para com seu filho especial, logo viralizou e tomou proporção nacional.

continua após a publicidade

A cena em questão foi registrada no último domingo, dia 24, no Estádio da Ressacada, em Florianópolis, durante o jogo entre Avaí e Flamengo. Da arquibancada, a mãe, Cristina Souza, explicava ao seu filho, Marcos Felipe, tudo o que acontecia ao seu redor. Isso porque o menino, de 10 anos, tem deficiência visual, além de ser autista.

Cada vez mais, as pessoas portadoras de necessidades especiais vêm tendo mais espaço dentro da sociedade. Cristina conta que a prática, para ela, é normal.

continua após a publicidade

“Na verdade, eu preciso fazer isso com ele o tempo todo, desde a cor da roupa que está vestindo, ao que vai comer, onde iremos, com quem iremos, se vamos receber alguma visita, se estamos na rua. Então, falar para ele sobre o Estádio foi algo praticamente automático. O que eu não esperava era a proporção que o vídeo iria tomar”, relata.

A filmagem foi feita por Cesar Augusto Corrêa, integrante da Embaixada Fla Pomerode.

“Não o conhecia, então, ele pediu permissão para que pudesse filmar e postar no Instagram da torcida. Eu permiti, afinal, estava num local público e com minha família. Depois é que fui ver o quanto o vídeo havia viralizado. Não consigo nem explicar, foi algo que não esperava, porém, fiquei muito muito feliz”.

 

Vídeo feito por torcedor pomerodense, viralizou nas Redes Sociais | Foto: Cesar Corrêa / Fla Pomerode / Reprodução

 

Cristina, que mora em Timbó, conta que foi ao jogo pela simples motivação de ver o Flamengo de perto.

“Além disso, também seria uma boa oportunidade do meu filho poder estar perto do seu time do coração. E lá, ele se sentiu muito bem. Cantou bastante e ficou feliz com os gols. O Marcos só tinha ido a um pequeno estádio municipal, e eu, quando adolescente, fui a um amistoso da Seleção Brasileira. Sou muito grata ao meu irmão Elton, à minha sobrinha Ester e ao namorado dela, Kristian. Eles pagaram a metade da nossa ida, meu ingresso, passagem e alimentação. Se não tivessem nos ajudado, talvez, não poderia estar contando esta nossa história agora”.

 

Família acompanhou o menino no estádio | Foto: Arquivo Pessoal

 

O amor do menino pelo Flamengo começou graças a um tio de sua mãe, que era fanático pelo rubro-negro.

“No entanto, os primeiros presentes que ele ganhou, relacionados a futebol, foram uma roupa do Palmeiras e, depois, uma do Corinthians. Meu outro irmão, que é corintiano, fez de tudo para que Marcos fosse também, mas não ‘rolou’ (riso). Então, em 2018, estávamos muito próximos a um tio meu, flamenguista apaixonado, que só falava do Flamengo. E o Marcos sempre perguntava sobre o time, mas nada muito intenso. Foi aí que veio da decisão da Libertadores de 2019, que foi o grande “divisor de águas. A partir dali, ele passou a torcer pelo rubro-negro, ao ponto de ser difícil de acalmá-lo após a derrota na final do Mundial Interclubes, de tanto que chorou”.

No entanto, a felicidade do menino foi quando seus familiares puderam realizar outro sonho: uma festa de aniversário, com a temática do rubro-negro.

 

Foto: Arquivo Pessoal

 

“Percebi que o amor pelo Flamengo foi se tornando ‘sério’, quando eu estava preparando o aniversário de nove anos. Ele me pediu que queria que os enfeites fossem do Flamengo, mas não tive como fazer naquele ano. Então, antes dele fazer 10 anos, meu irmão o presenteou com a camisa que tanto queria. Foi bem emocionante, ele chorou muito e, naquele momento, percebi que ali batia um coração rubro-negro. A partir daí, ele se autodeclarou oficialmente flamenguista. E no dia 02 de novembro de 2021, meu filho teve sua tão sonhada festa, em vermelho e preto”.

 

Os desafios de uma mãe

Para Cristina, que se autodenomina “mãe atípica”, cada dia é um aprendizado.

“Se eu fosse falar aqui tudo o que tenho que enfrentar, por ele, eu escreveria um livro (risos). Os desafios são diários, como saber lidar com a criança e com quem está perto de você, pois nem todos conseguem compreender essa condição. É preciso estar sempre atenta a tudo, especialmente, evitar que ele tenha uma crise. Esses são os piores momentos. Antes, quando acontecia, eu chorava junto, mas hoje em dia já fico um pouco mais tranquila. Resolvi viver um momento de cada vez e tentar não me apavorar, pois percebi que não existe uma fórmula mágica e nem uma receita para vencer esses desafios”.

Os obstáculos fazem de Cristina uma mulher ainda mais forte.

“Tento fazer o melhor para o meu filho, todos os dias. Todo esse processo tem me tornado cada vez mais forte. Eu amo ser mãe do Marcos Felipe e não isso trocaria por nada. Ele é minha prioridade, uma missão dada por Deus, que é recompensada por momentos como os vividos na Ressacada e nas mensagens que tenho recebido, desde então. Isso me faz ter a certeza de que tudo vale a pena. Peço a Deus que me permita estar com meu filho, ele até que ele se torne um adulto”.

 

Cristina fica feliz ao ver um sorriso no rosto de seu filho | Foto: Arquivo pessoal

 

Mesmo diante de todas as dificuldades, Marcos se mostra muito carinhoso e amoroso com as pessoas.

“Na escola, gosta de abraçar, dizer que ama. Já com pessoas estranhas, é preciso uma aproximação um pouco mais cuidadosa. Se caso eu já estou esperando que ele conheça alguém, já vou o preparando para isso, para que não cause um efeito negativo, principalmente, se for uma mulher. Ele não se dá muito bem quando ouve uma voz feminina, a qual não esteja acostumado, mas depois que há a aproximação, é só alegria”, diz a mãe.

Além da escola, a rotina do menino também inclui a musicoterapia.

“Ele vai à escola no período vespertino e, na segunda-feira pela manhã, tem o atendimento no AEE, na mesma instituição onde estuda. Já no sábado, ele faz musicoterapia, o momento mais aguardado durante a semana. Ele adora cantar. Se por algum motivo, não houver esse atendimento da música, isso se tornando um transtorno e o Marcos passa o dia chorando”, relata.

 

Menino pôde conhecer o ex-jogador Sávio | Foto: Arquivo pessoal

 

Cristina finaliza dizendo que poder contar um pouco da sua história e de seu filho é uma forma de incentivar as pessoas, diante das dificuldades.

“Só existe um caminho e duas alternativas. Em uma delas, você pode sentar e chorar, se fazer de vítima e ‘coitadinha’. E na outra, você pode seguir em frente, tropeçar, cair, mas sempre levantar, enxugando as lágrimas e continuando. Isso é o que nos fortalece. Espero que minha história com Marcos Felipe desperte a empatia e que possa ser inspiração para as outras pessoas”, finaliza.

 

Confira o vídeo:

Imagens: Cesar Corrêa / Fla Pomerode

 

Notícias relacionadas

Mais Lidas

Publicidade