Terca-Feira, 21 de Setembro de 2021

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Família relata experiência com ivermectina e hidroxicloroquina

Após sentir sintomas mais intensos da Covid-19, família procurou atendimento médico e realizou tratamento com os dois medicamentos

f7bac0da959bf79430ccd772d26b09ee.jpg Foto: -Imagem ilustrativaIsadora Brehmer / Jornal de Pomerode

Na segunda-feira, 20 de julho, a Prefeitura de Pomerode, por meio de um vídeo publicado em suas redes sociais, anunciou a oficialização de um protocolo municipal para padronização do atendimento no município e de medicações para o combate precoce da Covid-19.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/d71818c47d981bb85097e8de3648507e.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/ffd61332a4e29290e4edbdc12b3cf4f1.png

 

De acordo com o prefeito, Ércio Kriek, no vídeo, muitos dos medicamentos, como a Hidroxicloroquina e a Ivermectina, já vêm sendo utilizados no município desde abril e, agora, seguirão um protocolo em todas as Unidades de Saúde e no Hospital.

No vídeo, o prefeito e a Secretária de Saúde, Lígia Hoepfner, afirmaram que serão repassadas orientações para equipe de saúde e do hospital sobre os procedimentos que poderão ser utilizados. “Já adotávamos o uso do protocolo do Ministério da Saúde, que recomendava uso da cloroquina, mas os medicamentos que serão usados no tratamento são decisão conjunta entre médico e paciente”, afirmou Kriek.

 

Ele também destacou que vários médicos já utilizavam a Ivermectina no tratamento precoce de alguns casos de Covid-19 desde o mês de abril, aliado a outros remédios. Por isso, a Prefeitura decidiu oficializar o que já vinha sendo feito, por meio de um protocolo.

O uso dos dois medicamentos é uma pauta que vem causando controvérsias desde o início da pandemia, principalmente, acerca de sua eficácia no tratamento da doença. Há médicos, no entanto, que optam por utilizar um deles, ou ambos combinados, para o tratamento da doença, muitos deles obtendo resultados positivos com a recuperação de seus pacientes.

Este é caso de uma família pomerodense que contraiu a doença. Em um relato feito em redes sociais e repassado pela família ao Jornal de Pomerode, os membros da família Fiedler receberam a recomendação médica para tratamento da Covid-19 com Ivermectina e Hidroxicloquina, bem como, Azitromicina e Zinco.

De acordo com Dirce Fiedler, no relato, os membros da família começaram a ter os primeiros sintomas da doença no início do mês de junho, no dia 10. Ela afirma que foi a primeira a passar mal, mas pensava tratar-se de uma gripe. Porém, logo depois, a filha mais nova, Dayane, começou a apresentar sintomas e, depois, os outros membros da família.

Dayane foi a primeira a ir ao médico e voltou para casa com atestado da Covid-19. No dia 16 de junho, um amigo próximo da família testou positivo para a doença. Na manhã do mesmo dia, a filha mais velha, Lisiane, fez o teste de sangue em um laboratório particular, que deu negativo. Porém, na mesma noite, o genro, Dirceu, encontrou-a desmaiada no quarto e a levou ao hospital. Lá, depois da consulta, pelo relato dos sintomas dela, mandaram-na para casa e pediram que fizesse o exame no posto de saúde, com hora marcada, no dia seguinte. 

Dois dias depois foi confirmado que a filha mais velha também tinha contraído a Covid-19 e, assim, três pessoas da família testaram positivo para a doença. “Os sintomas eram similares, alguns piores que outros. O posto de saúde ligava todos os dias para saber como estávamos, falando com todos, mas somente isso, sem nenhuma orientação do que poderíamos tomar, este ou aquele remédio, e alguns de nós estavam mal, e eu me incluo nessa. Assim seguimos, eu estava com muita tosse, falta de ar, dores no corpo e, quando respirava ou tossia, parecia que tinha um buraco enorme no peito, fora a dor. Tinha medo de falar e tossir, para não sentir aquelas dores terríveis”, relata Dirce.

A família ficou sabendo de mais amigos com o mesmo mal e exame positivo para a Covid-19, há mais de uma semana, sem melhoras. Em um grupo de amigos, sugeriram que a família buscasse a orientação médica e, por indicações, chegaram ao Dr. Eckart Liesenberg, que se prontificou a atendê-los, com hora marcada, quando o consultório estivesse vazio. O médico então receitou à família um kit com as medicações citadas. “Depois de nove dias de sintomas, com este kit, houve importante melhora em 24 horas e muito mais em 48 horas. Começamos a melhorar logo depois de tomar os remédios Azitromicina, Ivermectina e Hidroxicloroquina, além de Zinco, assim como nossos conhecidos também. Relatamos a nossa experiência com estes remédios, pois nos ajudaram e muito”, enaltece Dirce.