Saúde

Setembro Amarelo: um olhar para dentro de si e do próximo

Especialista fala sobre a necessidade da quebra de preconceitos e da importância de levar a sério o tema saúde mental

17 de setembro de 2022

Foto: Envato Elements

A campanha Setembro Amarelo tem o objetivo de conscientizar as pessoas acerca da importância do cuidado com a saúde mental. Órgãos públicos e sociedade, em geral, se engajam em ações que visam desmitificar questões ligadas ao equilíbrio psicológico.

A Psicóloga, CRP: 12/10942, Claudete S. Soethe, afirma que, nos últimos dois anos, com a pandemia, recebeu uma procura maior de pessoas em busca de orientação, com problemas como crises de ansiedade e depressão, por exemplo.

“Algumas pessoas chegaram ao ponto de terem seus relacionamentos afetados e do mesmo modo, perceberam suas funções cognitivas, como atenção, memória e concentração alteradas. Preocupadas, desabafam que seu desempenho produtivo foi prejudicado. A Depressão é outro transtorno que está presente em toda sociedade. Ouvindo inúmeras pessoas, que me trazem como queixa principal falta de alegria e motivação para continuar a viver. Essas pessoas expressam as marcas da tristeza em suas faces, contam que não reconhecem mais quem são, sentem-se deprimidas na maior parte do tempo, por constatarem que já não conseguem encontrar o sentido da vida e até pensam no ‘pior’”, comenta a psicóloga.

Especialistas da área já falam sobre o crescimento de problemas de saúde relacionados à saúde mental, em todas às idades. E, como em todas os problemas de saúde, há alguns sinais que podem ser percebidos, de que a saúde mental precisa de atenção.

“Os primeiros sinais podem aparecer de maneira bem sutil, através de perda de apetite, sono conturbado, falta ou excesso dele. A pessoa pode ainda começar a reclamar de esquecimento, pode começar a dizer que está muito cansada, esse relato de cansaço poderá surgir acompanhado de choro e variação do humor. Podendo se tornar frequente, como outras determinadas alterações comportamentais que vão mostrar isolamento e uma apatia pela vida, a pessoa vai se isolando de tudo e de todos, em alguns casos”, explica Claudete.

Neste sentido, a importância da campanha Setembro Amarelo é ainda maior, para quebrar tabus e desconstruir o medo de falar sobre o tema. Segundo a psicóloga, é importante discutir cada vez mais questões relacionadas à saúde mental, pois quanto mais se fala sobre o tema, mais os problemas serão prevenidos, com conhecimento e empatia.

“Considero que o primeiro passo, talvez o mais importante, em tempos atuais e prestar atenção na qualidade dos relacionamentos. Tenha a percepção de como estão suas atitudes e como elas afetam o meio que você vive. As pessoas que estão adoecidas, na outra ponta, foram afetadas em grande maioria por ‘situações e palavras’. Palavras que saem da sua boca com o propósito de ferir o outro, nesses casos revelam mais sobre você, sobre o íntimo do seu coração, mais do que isso, demonstram a inquietude de suas emoções, e o quanto elas precisam serem trabalhadas, como: Medo, orgulho ou ego ferido, luto não trabalhado, insegurança, traumas de infância, situações de conflitos afetivos e familiares mal resolvidos, dificuldade de dar e pedir perdão. Quando surge um conflito emocional é importante olhar para ele, se você negar, ele tende a crescer e as chances de provocar muitos estragos em suas relações afetivas e profissionais, são grandes”, destaca Claudete.

A psicóloga reitera, ainda, que todo conflito pede uma solução, assim sendo, é importante ter humildade e fazer sua Autoavaliação, respondendo algumas perguntas:

– Como você tem se relacionado com as pessoas da sua família? Em sua própria casa e no seu ambiente profissional, você recebe o apoio para falar de suas emoções e sentimentos? Formar uma boa rede de apoio familiar é fundamental para a pessoa sentir-se cuidada e amparada. (Pessoas de confiança: da familiares e amigos)

– Como você tem se relacionado com as pessoas do seu trabalho?

– As palavras que você fala ao outro despejam “lixo” ou leveza a vida do outro? Já que as palavras carregam o poder de edificar e de derrubar. Muitos transtornos, tiveram a sua origem por apenas, uma palavra. De palavra em palavra, se tornam adoecimento, pela frequência do mau uso delas.

– Como está o padrão dos seus pensamentos?

– Que crenças enraizadas você não se desfaz?

“Se preocupe em alimentar uma boa estrutura de pensamento, para que suas emoções sejam as melhores possíveis. Procure ser uma pessoa MELHOR para as pessoas que você convive. E não em ser o maior. Se liberte do apego de construir somente aparência e alimente profundamente a sua essência. Quem é você? Como quer ser lembrado? Questione-se: Qual é o sentido da sua vida? Se você não encontrar resposta, reveja suas escolhas, suas metas e prioridades e as sementes que você tem semeado”, finaliza Claudete.

Notícias relacionadas