JPet

JPet: Uma função

Hoje o nosso ponto de vista sobre adotar ou comprar vai tratar exclusivamente sobre os cães

15 de maio de 2023

Foto: Envato Elements

Toda discussão relacionada ao bem estar dos animais é sadia tão somente pelo fato de gerar reflexões sobre o tema. Atualmente alguns embates já são observados entre pessoas que escolheram o mesmo lado da moeda protecionista e um que comumente observo diz respeito as divergências existentes sobre os que defendem a compra e os que defendem a adoção dos animais.

Embora sejamos apaixonados por todos os animais, mas a nossa coluna versa sobre pets, digamos, “convencionais”, ou seja, o cão e gato. Hoje o nosso ponto de vista sobre adotar ou comprar vai tratar exclusivamente sobre os cães e temos uma razão pra isso : a aquisição é a melhor alternativa quando buscamos uma função específica para o animal, o que se aplica muito bem aos cães, ficando os gatos com raras situações de funções para além daquela de ser uma companhia.

Então quando a vontade de ter um animal em casa apareceu, foi pra que ? Os cães apresentam diversas funções e geneticamente sofreram cruzamentos e adaptações pra melhorar a performance destas funções. Temos os cães especializados em faro; os de caça; os de busca e salvamento; os de água; os de guarda; os guias etc e cada raça especifica pra estas atividades possuem exigências diárias diferentes uma das outras. Desde aquelas que precisam economizar energia, passando por aqueles que precisam de uma certa especificidade no pelo pra suportar variações de temperaturas. Dos cães que não podem morder e dos que devem. Os que não podem fazer barulho e os que precisam ser barulhentos como parte da sua atividade específica.

Assim é que ter um animal para uma função específica muitas vezes vai demandar a escolha de um animal cuja aptidão tenha sido aprimorada geneticamente por meio de cruzamentos de exemplares muito bem sucedidos e, nestes casos, via de regra falamos de aquisição.

Por sua vez, quando a função do animal é companhia, não há dúvidas de que um exemplar sem raça definida cumpre este papel com muita honradez e tantas vezes se sobressaem em carinho e peripécias se relacionados a um animal formado para uma função específica.

Claro que você pode escolher um animal de trabalho mesmo que não vá desenvolver função nenhuma, mas não se esqueça que estes animais – como dissemos – possuem necessidades especificas e que você DEVERÁ atender, sob pena de ingressar no universo dos maus tratos. Isso mesmo! Se você quiser ter um animal que demande muito exercício diário apenas pq ele é peludo e bonito, não se esqueça que a atividade que ele necessita diariamente deverá ser desenvolvida diariamente, sob pena do animal se retrair, ficar irritadiço, com falta de apetite, falta de interesse; desenvolve doenças, inclusive de pele e perda de pelo etc que são apenas consequências da sua escolha sobre um animal de trabalho sem, contudo, dar a ele as atividades que precisa para atender a demanda criada por elementos genéticos e isso, sim, também é maus tratos.

Então se a sua necessidade não for específica para além da companhia, a adoção é um ato de amor, respeito, carinho e digno de pessoas de bem sempre sendo uma excelente alternativa e, ninguém resiste a um “lambeijo” do Caramelo!!!

Apoie a ideia da adoção ! Visite o Sítio Dona Lúcia !  Na semana que vem vamos falar sobre como os animais de raça pura são organizados pela função que desenvolvem, onde buscar estas informações e muito mais.

Vílson Sandrini Filho – Advogado, Mestre em Direito e Especializando em Direito Animal, pela ANCLIVEPA / Sociedade Paulista de Medicina Veterinária;  proprietário do Canil Hunterbird/CBKC; Diretor Jurídico do KCI

Notícias relacionadas