Estado

Homem é condenado a mais de 47 anos de reclusão por abusar sexualmente da enteada e da sobrinha

Abusos contra a enteada aconteceram entre 2020 e 2023

11 de julho de 2024

Foto: Envato Elements

Uma adolescente desesperada procura a psicóloga da escola para pedir ajuda. Há mais de três anos, ela é abusada sexualmente pelo padrasto. O Conselho Tutelar é acionado e faz a escuta especializada da vítima.

As investigações revelam que o homem armazena imagens íntimas dela no celular e que também abusou da sobrinha menor de 14 anos. Ele é denunciado pelo Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) e vai para a prisão.

O caso aconteceu na Comarca de Joaçaba, no Meio-Oeste catarinense. O homem, um ex-agente de segurança, foi condenado a 47 anos e quatro meses de reclusão em regime fechado por três crimes: constranger alguém, mediante violência grave ou ameaça, a ter conjunção carnal ou praticar ato libidinoso; estuprar vulnerável; e armazenar cena de sexo explícito ou pornografia envolvendo adolescente. Ele não poderá recorrer em liberdade.

Os abusos contra a enteada aconteceram entre 2020 e 2023. Segundo consta nos autos, o réu exercia uma forte autoridade sobre a menina e usou a superioridade física e econômica para exigir favores sexuais.

Ele invadia o quarto da vítima durante a noite para satisfazer a lascívia e instalou câmeras de segurança na casa para monitorá-la além de fazer fotos e vídeos dela nua. As ameaças e represálias faziam parte da rotina.

Anos antes, o homem ofereceu carona para a sobrinha menor de 14 anos e deu várias voltas tentando convencê-la a satisfazê-lo sexualmente. Durante o trajeto, ele passou a mão nas pernas da menina, tentou beijá-la a força e a ameaçou caso contasse o episódio a alguém, gerando grande temor na vítima.

A Promotora de Justiça Francielli Fiorin, da 3ª Promotoria de Justiça da Comarca de Joaçaba, exalta a coragem da enteada e o acolhimento da psicóloga. “A adolescente vivia um contexto doméstico hostil, totalmente dominado pelo medo, mas mesmo assim pediu ajuda à psicóloga da sua unidade de ensino. A coragem da vítima e o preparo da profissional possibilitaram que aquela violência parasse e que o agressor fosse processado e agora receba a punição devida”, concluiu.

Notícias relacionadas