Especiais

Beleza e glamour: os bailes de debutantes

Três debutantes do ano de 1979 relembram as histórias e as tradições vividas em sua oportunidade de serem apresentadas à sociedade

30 de junho de 2024

Foto: Arquivo pessoal Cristiane Krueger

Tradição, diversão e glamour. Estas três palavras podem definir um pouco do que eram os bailes de debutantes promovidos em Pomerode e que serviam para a apresentação das jovens à sociedade, por parte de suas famílias.

O Clube Pomerode, no centro da cidade, era o local escolhido para a celebração e, nesta reportagem, vamos resgatar as lembranças de uma das edições do evento de gala do município, no ano de 1979.

Cristiane Passold Krueger foi uma das 20 debutantes daquele ano e conta que o Baile era sempre um evento social anual, muito aguardado pela sociedade, em geral. “Nele os pais apresentavam as suas filhas à sociedade, de uma forma respeitosa e alegre. Era uma festa de glamour, na época”, relembra Cristiane.

Cristiane ainda guarda o seu álbum de debutante, como recordação. (Foto: Isadora Brehmer / JP)

 

Segundo ela, as debutantes eram apresentadas à comunidade quando chegavam aos 15 anos de idade e o evento era muito aguardado. “Da minha parte, era algo que eu esperava, pois minhas duas irmãs já tinham debutado e eu fiquei muito feliz quando chegou a minha vez. Infelizmente, era um evento mais custoso e nem todas as jovens tinham a oportunidade de participar, mas acredito que a maioria sonhava com isso”.

Quem também teve a oportunidade de vivenciar o baile de debutantes foi Sueli Klabunde, na época com o sobrenome de solteira Horney. “Me lembro de ter sido convidada a participar do baile de debutantes, embora não imaginasse que iria debutar, já que era um evento que muitos consideravam da alta sociedade. E assim que comecei a participar das reuniões que antecediam o evento, percebi que tinha algumas amigas que iriam debutar comigo e acabou sendo uma experiência ótima”, conta Suely.

Foto: Arquivo pessoal

 

Eliana Koch Schmitt também tem memórias especiais relacionadas ao baile de debutantes, uma vez que o seu debut foi na noite do seu aniversário, também em 1979.

“O baile de debutantes era um baile de gala no Clube Pomerode, onde as meninas-moças de 15 anos faziam suas inscrições e eram apresentadas à sociedade, com seus lindos vestidos brancos. Era um baile social e elegante, que marcava a noite especial. Para mim, foi marcante e emocionante. Recebi um buquê de flores das madrinhas: Darci Gruetzmacher Boss, Ingelore Laffin Drews e Rita Maria Kielvagen. As mesmas também nos presentearam na noite, com uma bela joia”, recorda Eliana.

Cristiane também comenta que a preparação para o baile de debutantes por vezes começava cerca de um mês antes do evento, uma vez que as madrinhas, citadas por Eliana, ofereciam café da tarde, jantar ou coquetel às debutantes daquele ano, para se conhecerem e interagirem, antes da grande noite.

Nas duas fotos, Cristiane com Eliana (à esquerda), e Cristiane com Suely. (Fotos: Arquivo pessoal)

 

As debutantes de 1979 também relembram que havia a preocupação com a pessoa que seria o seu convidado para uma segunda valsa, além, claro, da preparação com cabelo e vestido, que tradicionalmente era branco.

“O baile, em si, tinha um mestre de cerimônia. Me lembro que nós ficávamos nos bastidores, então o cerimonialista anunciava o nome da debutante, saíamos do local onde estávamos, descíamos a escada, então ele lia o nome, nome dos pais, e falava algo sobre a moça. O pai esperava nas escadas, rodeava a pista para apresentar a filha, era muito bonito”, comenta Cristiane.

“Os pais das debutantes, apresentavam suas filhas, dando a clássica volta ao redor do salão e entregamos uma rosa vermelha com carinho, a nossa mãe. Depois vinham as danças, sendo a primeira com o pai, depois com o padrinho da debutante e a mais esperada, a dança com o par. Em nosso baile, a novidade da noite era o gelo seco (risos). Foi um momento de muita diversão e dança até altas horas da madrugada e tenho muitas lembranças boas. Iniciava-se aí, nosso ingresso a sociedade”, declara Eliana.

Foto: Cristiane, acompanhada dos pais, em seu debut. (Foto: Arquivo pessoal)

 

Sueli relembra qual o foi momento mais especial da noite, para si. “Quando cheguei ao palco, e me virei para público, sendo apresentada. Depois foi muito emocionante quando entreguei a rosa para minha mãe e dancei com meu pai, o que achei lindo. Era especial porque os pais estavam acima de tudo para nós e proporcionaram este momento de debut”, enaltece.

Foto: Divulgação

 

Suely, acompanhada dos pais. (Foto: Arquivo pessoal)

 

“O baile era uma noite de gala, com tudo perfeito e organizado, lindamente decorado, era muito bonito. Nos sentíamos princesas e, para mim, eram tempos de ouro. O mais marcante daquela noite, na minha visão, foram as valsas que dançamos e também o momento em que meu pai me conduziu pelo salão. Foi muito especial”, completa Cristiane.

Inclusive, a amizade que Cristiane fez com Eliana e com Sueli permanece até hoje, por mensagens, ligações e encontros, quando as rotinas tornam possível.

Por fim, Eliana também comenta que fez questão de levar a tradição do baile de debutantes adiante, em sua família. “A tradição continuou com minha filha Mariana Luísa Koch Schmitt, que, com seus 15 anos, também debutou em Blumenau e Indaial, uma vez que em Pomerode encerrou este baile”, finaliza.

Notícias relacionadas