Vale do Itajaí

Dragagem do rio Itajaí-Açu traz alívio e esperança para Rio do Sul e Região

Governo de Santa Catarina investe R$ 16 milhões e inicia dragagem do Rio Itajaí-Açu em Rio do Sul

12 de maio de 2024

Foto: Jonatã Rocha/Secom

Um marco histórico na proteção das pessoas e na prevenção de enchentes. O governador Jorginho Mello assinou, neste sábado, 11, em Rio do Sul, a ordem de serviço para o início das obras de dragagem do Rio Itajaí-Açu.

A ação prevê melhorias que visam mitigar e prevenir as cheias no Alto Vale do Itajaí, região que de forma recorrente é uma das mais atingidas em Santa Catarina. A medida é uma forma de evitar que cenas como a das enchentes de 2023 voltem a se repetir no Vale do Itajaí como um todo.

O investimento total do Governo catarinense para o desassoreamento dos rios e limpeza das margens será de R$16,2 milhões. O serviço abrange um trecho de 8,2 quilômetros, divididos entre os rios Itajaí do Sul, Itajaí do Oeste e, após a junção deles, o próprio Rio Itajaí-Açu.

“A gente quer aliviar a dor, o sofrimento do pessoal do Alto Vale, do Médio Vale, começando a dragagem. Vamos começar um processo que será longo, não é algo que resolve a semana que vem, é um processo que nós vamos iniciar hoje. É um grande trabalho que a gente tá fazendo aqui de forma muito respeitosa com o Alto Vale, para dar ânimo aos empresários, às famílias que aqui moram e que, de vez em quando, perdem tudo. A gente vai atenuando e diminuindo esse impacto de prejudicar a toda a sociedade”, reforça o governador Jorginho Mello.

As chuvas e perdas são recorrentes e dramáticas para quem vive na região. Um exemplo é Nelçi Terezinha Pereira, fundadora do grupo Unidos Venceremos, que batalha há oito anos por uma solução que traga segurança e paz para a população. Ela mesma já foi vítima das águas e perdeu os bens materiais em cinco episódios de enchentes. Agora vê na iniciativa o cumprimento de uma promessa.

“Eu tô assim muito feliz de ver que até que enfim vão olhar para Rio do Sul. O Jorginho é o terceiro governador que nós fomos pedir com 36.000 assinaturas e até hoje ninguém havia feito. Agora o Jorginho, que tá há um ano e pouco, ele já tá aí. Eu tô lutando com o meu grupo há oito anos. Então, para Rio do Sul é uma festa e eu tô assim tão emocionada, tão feliz. E para nós vai ser uma graça, porque o povo do Rio Sul tem muitos empresários e o povo vai ajudar porque quer que Rio do Sul continue sendo a capital do Alto Vale e não a capital das enchentes”.

Notícias relacionadas