Mundo

Primeiro ser humano vivo recebe rim de porco em transplante, nos EUA

O procedimento foi comandado pelo médico brasileiro, Leonardo Riella

4 de abril de 2024

Foto: Massachussets General Hospital/Divulgação

Richard Slayman, de 62 anos, foi o primeiro ser humano vivo a receber um rim de porco, geneticamente modificado, durante um transplante, nos Estados Unidos.

Richard já recebeu alta do hospital e afirmou em uma publicação nas redes sociais que este é um dos momentos mais felizes da vida dele.

Leonarod Riella, médico brasileiro, foi o responsável por comandar o transplante. O paciente recebeu alta do hospital na quarta-feira (3), e a cirurgia foi realizada há cerca de um mês, em um hospital de Boston, nos Estados Unidos.

O paciente foi diagnosticado com uma doença renal em estágio avançado. E segundo os médicos, ele possui diabetes tipo 2, hipertensão e fazia diálise há sete anos.

Richard chegou a receber um transplante de rim humano em 2018, mas o órgão acabou falhando cinco anos depois. Em 2023, ele voltou a depender de diálise.

Só no Brasil, 30 mil pacientes esperam na fila para receber um transplante. Nos Estados Unidos, onde Richard mora, 100 mil pessoas aguardam por um transplante.

Este transplante representa um marco na medicina e um avanço para as pessoas que estão aguardando por um órgão.

O xenotransplante (implantação de órgão animal em humanos), vinha sendo desenvolvido há 5 anos pelo hospital, em parceria com a empresa eGenesis. Essa pesquisa tem a intenção de oferecer maior oferta de órgãos e salvar a vida de pessoas que necessitam de um rim, e elaborar outras maneiras de tratamento, que não sejam a hemodiálise.

O maior desafio deste estudo era a resposta do sistema imunológico que poderia rejeitar o tecido estranho. Este ponto foi trabalhado ao longo da pesquisa.

Nos cinco anos de pesquisa, foram feitas várias versões de modificações genéticas até encontrarem a que poderia ser implantada em humanos. E com a resposta positiva, a equipe acionou o FDA (órgão de regulação norte-americano), que aprovou a realização do procedimento.

Notícias relacionadas