Quinta-Feira, 02 de Abril de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Um olhar para o futuro

As Realezas Mirins da 37ª Festa Pomerana falam sobre o que esperam para o futuro de Pomerode.

ae4555ef751de0ca3a08babdde371f70.JPG Foto: Raphael Carrasco / Jornal de Pomerode

Futuro. No dicionário, a palavra tem esse significado: Tempo que ainda está para chegar. É muito difícil termos alguma previsão concreta do que esperamos ver pela frente, porém, sempre acabamos fazendo projeções para os anos seguintes. Com esse pensamento, conversamos com as Realezas Mirins da Festa Pomerana para falarmos sobre o que elas esperam para o futuro de Pomerode, a cidade mais alemã do Brasil.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/da5766e97c60e8759e4c3acec5c7284a.jpg

 

As pequenas 2ª e 1ª princesas Nicolly Dickmann e Maria Eduarda Guenther e a Rainha mirim Camila Engel, todas com nove anos de idade, foram eleitas ano passado para compor a Realeza da 37ª Festa Pomerana. Representando os seus clubes de caça e tiro, o primeiro assunto a ser conversado, foi a manutenção das tradições, daqui há alguns anos. As meninas acreditam que a cultura alemã, mesmo daqui a 50, 60 anos, não irá se perder no meio das novas gerações. E, se depender delas, essa tradição seguirá firme e forte.

“Eu acho que é uma tradição muito bonita e acredito que os pomerodenses, independentemente da geração, irão continuar a preservar a nossa cultura. Se, até hoje podemos ver os traços da colonização alemã, não penso que um dia isso pode se perder”, comenta a Rainha Camila.

Desde 2010 até 2019, Pomerode apresentou um crescimento expressivo em relação ao número de habitantes, segundo o IBGE. No Censo de 2010, a população estimada era de 27.759 mil enquanto a nova pesquisa, divulgada em 2019, já apresenta uma quantidade de 33.447 mil de habitantes na cidade. Sobre o crescimento da cidade, as pequenas realezas ficaram surpresas quando esse dado foi apresentado a elas, já que as mesmas não imaginavam que a população havia crescido tanto, em menos de 10 anos.

 

(Foto: Raphael Carrasco)

“Eu não sabia disso! Eu realmente fiquei surpresa com essa informação. Mas, acredito que Pomerode irá se manter uma cidade tranquila, mesmo crescendo o número de moradores aqui na cidade. Acho que quem faz a cidade são os habitantes, então, se essa cultura de querer manter tudo em ordem, zelar pelo bem da cidade continuar, acredito que Pomerode pode crescer, mas não perder os seus costumes e suas qualidades como a segurança, limpeza da cidade e outras coisas”, relata a primeira princesa, Maria Eduarda Guenther.

A Nicolly também ressaltou a educação pomerodense e acredita que, se continuar com esses exemplos, como a reciclagem do lixo, manter a cidade limpa, Pomerode tem tudo para continuar a ser uma cidade exemplo.

“Eu acredito que, em relação à preservação do meio-ambiente, não acho que devemos ficar preocupados. Isso já faz parte da nossa educação, da nossa cultura, fazer o descarte do lixo corretamente e sempre manter a cidade, nossas casas limpas”, afirma Nicolly.

Em relação ao idioma alemão, que é ensinado nas escolas do município, todas foram pontuais em suas respostas. Elas acreditam que, se o idioma continuar a ser lecionado nas escolas e também passado de geração para geração, não irá se perder, ao passar dos anos.

“Não acreditamos que o alemão vá se perder conforme o tempo vá passando. O pomerodense tem uma cultura diferente em manter suas tradições e se as aulas continuarem e também os pais, avós passarem o idioma para seus filhos e netos, o mesmo não irá sumir do mapa”, ressaltam.

Agora, se há algo para mudar nesse mundo, o que elas mudariam? As três responderam praticamente a mesma coisa, enfatizando, principalmente, o fim da violência. “A gente vê muitos casos de violência, pessoas se matando, guerras e por aí vai. Nós torcemos muito para que isso possa mudar algum dia e queremos um mundo com mais paz, amor e, principalmente, respeito com o próximo”

 

Eu já me vi sendo rainha ou princesa da Terceira idade daqui há alguns anos. Quero concorrer à Rainha adulta também. Já pensei em ser professora, mas depois que virei princesa da Festa, me chamou muito a atenção o trabalho das cabeleireiras e maquiadoras, quem sabe não vire uma no futuro, né?

 

E, como elas se enxergam daqui há 50, 60 anos? A Maria já até pensou em concorrer para fazer parte da Realeza da Terceira Idade! “Eu já me vi sendo rainha ou princesa da Terceira idade daqui há alguns anos. Quero concorrer à Rainha adulta também. Já pensei em ser professora, mas depois que virei princesa da Festa, me chamou muito a atenção o trabalho das cabeleireiras e maquiadoras, quem sabe não vire uma no futuro, né?”, conta.

Já Nicolly, é das exatas, mas tem um pouquinho das humanas em seu sangue e já pensou em duas profissões bem distintas. “Eu adoro matemática e já pensei em fazer Engenharia Ambiental. Mas, eu adoro artes cênicas e já pensei também em ser atriz. Tentaria ser essas duas profissões, ao mesmo tempo”, relata a segunda princesa.

E, a Rainha Camila, ainda não se decidiu e tem dúvidas do que fazer no futuro. “Eu já tive várias profissões na minha cabeça, mas aí sempre me interessava por outra, em uma outra hora. Acho que tudo tem um tempo certo, ainda dá tempo para pensar bastante no futuro e com certeza vou me encontrar em algum curso, daqui há alguns anos”, explica.

Para finalizar, as três definiram Pomerode em uma palavra: união. Porquê? Elas explicam.“Eu vejo que o povo pomerodense é muito unido, pois ajudamos uns aos outros, sempre em benefício da cidade. Essa união faz com que a cidade seja esse exemplo que é para todo o Brasil, sendo referência em segurança, limpeza e turismo. Se essa união continuar daqui há alguns anos, temos tudo para ser uma das melhores cidades para se morar, em nosso país”, finalizam

 

Quer receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.



Tags: