Quarta-Feira, 08 de Abril de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Um carro repleto de memórias e homenagens

Alegoria Unsere Schützenvereine trouxe a memória das competições dos Clubes de Caça e Tiro da nossa cidade

683553d1d7552d5a2ea4bb4e0611830b.jpg Foto: William Bucholtz Fotografia

Quem assistiu aos desfiles típicos da Festa Pomerana, em 2020, certamente deve ter notado a presença de uma alegoria que destacava as práticas dos Clubes de Caça e Tiro de Pomerode. O carro Unsere Schützenvereine, na tradução “Nossos Clubes de Caça e Tiro”, foi uma novidade nos desfiles da 37ª Festa Pomerana.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/da5766e97c60e8759e4c3acec5c7284a.jpg

 

Um dos idealizadores do carro foi Marcos Dallmann, que explicou que a intenção era representar os 15 Clubes de Caça e Tiro, demonstrando suas principais atividades culturais, esportivas e recreativas. 

“A ideia surgiu após a festa ter iniciado. Num almoço com meus pais, falando sobre os desfiles, lembrei dos principais protagonistas da festa, que são os 15 Clubes de Caça e Tiro de Pomerode. Mesmo que, a cada desfile, fossem representados por alguns clubes, faltava algo que os representasse”, explica Dallmann.

 Então, para tornar a ideia realidade, foram reunidos voluntários, músicos, integrantes dos clubes, todos com uma característica em comum: a alegria. “Valorizar as raízes é manter viva a nossa essência. Hoje, colhemos belíssimos frutos plantados e cultivados pelos nossos bravos imigrantes e aos demais que, até hoje, os mantiveram. No mínimo, preservar e reconhecer é o que temos a fazer. Além de ter feito algo a mais, o sentimento de gratidão e satisfação é ímpar. Com certeza, este grupo quer mais e, claro, melhorar a ideia implantada em dois dias”, ressalta Dallmann.

 

 

(Foto: William Bucholtz Fotografia)

O vereador, que teve e concretizou a ideia, revela que a aceitação do público para com o carro foi impressionante. Foram recebidas muitas mensagens, ligações e agradecimentos pela lembrança dos defensores e dos que ainda vivem dos Clubes de Caça e Tiro. E, devido ao sucesso, a intenção é manter a alegoria para os desfiles típicos das próximas edições da Festa Pomerana. “Agora com mais tempo e abertos a sugestões para melhor representar as sociedades pomerodenses”, inclui.

Um dos homenageados foi Brüder Wachholz, figura importante da história dos clubes de Pomerode, por ser um dos principais atiradores da cidade, já que serviu ao Exército na juventude. Além de frequentar os Clubes de Caça e Tiro e participar das competições, Brüder Wachholz era figura muito conhecida nos desfiles, pela dedicação e respeito que tinha a eles.

“Para quem vive os Clubes de Caça e Tiro, sabe muito bem da importância dele. Mas para os demais que admiram esta cultura, puderam entender o quanto estas pessoas se empenharam para estas atividades desportivas, recreativas e culturais.  Além das competições, festas e tudo mais, a disciplina era e ainda é aplicada na formação para a marcha em busca ao rei e rainha, com seus respectivos cavalheiros e princesas. E claro que, para a marcha, precisa de um comandante para ordenar e é onde lembremos do Brüder Wachholz. No desfile, ele foi muito bem representado pela sua filha Rose, carregando seu colete com as medalhas por ele conquistadas”, ressalta Dallmann.

A filha, Rose Mari Wachholz José, conforme citado pelo organizador da alegoria, esteve presente nos desfiles típicos representando seu pai, com o tradicional colete, repleto de medalhas, assim como o chapéu que compunha o traje.

 

(Foto: William Bucholtz Fotografia)

Ela conta que o convite partiu de Dallmann. “Quando a Festa Pomerana começou, comentei com meu irmão que havia os desfile e, por isso, logo lembramos do nosso pai, porque, para ele, os desfiles representavam a coisa mais importante, a tradição para ser admirada e assistida. Em meio a estas lembranças, eu disse que desfilaria com o colete e o chapéu, mas não imaginei que isso aconteceria mesmo. Na semana seguinte, meu irmão me chamou e contou que o Marcos tinha o carro alegórico em homenagem a todos que estão na parte dos jogos dos Clubes de Caça e Tiro. Marcos estava convidando alguns para participar, inclusive, os que já se foram. Então, entrei em contato com ele, que me convidou. Foi uma vontade e acabou dando muito certo”, comenta Rose.

Quanto à sensação de vestir o colete que foi de seu pai, Rose admite que a emoção tomou conta de si. “Eu nunca havia vestido o colete, nem de brincadeira, porque sempre tivemos um respeito enorme pela peça, já que, para o meu pai, era uma coisa séria. Guardávamos o colete com muito carinho e só o vesti ao receber convite. Quando chegou o dia do desfile, peguei o colete e o vesti, logo me emocionei”.

Rose sempre ouviu, de diversas pessoas, como era parecida fisicamente com seu pai e, ao aparecer na sala de sua casa, com o colete e o chapéu de Brüder Wachholz, ouviu do marido “só falta o bigode”. A filha comenta que achou graça e, ao mesmo tempo, uma emoção muito grande.

Durante o desfile, segundo Rose, foi impossível não se emocionar, por se sentir mais próxima ao pai, a quem estava representando no carro Unsere Schützenvereine. “Tive muito respeito àquele momento, junto à alegria, porque meu pai era assim, (o tiro) era um esporte, mais do que uma diversão, que ele fazia com seriedade. Ele tratava os desfiles como um compromisso muito sério”, afirma.

Rose garante que aceitou o convite para estar no desfile como uma forma de manter a memória de Brüder Wachholz viva em Pomerode. Ela também gostaria que outras pessoas fizessem o mesmo por seus pais e avôs, para que tantas histórias não se percam no tempo, e torce para que, em outros anos, venham mais pessoas, com coletes cheios de medalhas, pois isso trará orgulho a quem já se foi.

“Quando estava indo, eu disse para ele: ‘então vamos desfilar. Você estará comigo’. E, inclusive, postei isso nas redes sociais. Quando tudo se acabou, eu, falei de novo: ‘pai, espero que tenha sido do seu gosto’. Só tenho a agradecer por, mais uma vez, lembrar e falar sobre isso, e, principalmente, ao Marcos, pela oportunidade. Parabenizar, também, pela alegoria que homenageia essas pessoas dentro dessas modalidades e dar a oportunidade de ter levado essa recordação do meu pai”, finaliza Rose.

 

Quer ser o primeiro a receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.

 



Tags: