Quinta-Feira, 04 de Junho de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Profissional que cuida

Dia do Enfermeiro homenageia a profissão, tão estimada em época de pandemia

67035ab5e3494339872708c0f6a26a19.jpg Foto: Charles Perini

O dia 12 de maio foi o momento de homenagear uma categoria de profissionais que está atuando diretamente no atendimento aos pacientes diagnosticados com o coronavírus. Os enfermeiros, assim como os médicos, tornaram-se protagonistas nesta luta e foram homenageados pelo Dia da Enfermagem, na terça-feira, 12 de maio.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/da5766e97c60e8759e4c3acec5c7284a.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/b6557b3fc353d86e08085bfc422c0203.jpg

 

A profissão exige dedicação e coragem, por isso, quem escolhe seguir na carreira, assume um compromisso para a vida toda. Uma destas pessoas é Beatriz Beck, de 21 anos, estudante de enfermagem, que já atua na área. Ela está cursando o penúltimo semestre do curso e é estagiária no Hospital e Maternidade Rio do Testo há menos de um mês.

Ela conta que a área da saúde sempre a encantou e que, desde cedo, já desejava seguir esta carreira. “Desde criança eu já expressava para os meus familiares o meu interesse pela área da saúde. Eu gostava de frequentar a instituição de longa permanência da cidade, só para conhecer os idosos que ali residiam. Com o passar do tempo, fui adquirindo mais convicção do que eu realmente gostaria de exercer, e no ano de 2016, ingressei no curso de enfermagem da Furb. Escolhi a enfermagem por ser a profissão que destina cuidados integrais, sendo composta pelos profissionais que permanecem a maior parte do tempo ao lado dos pacientes”, revela a futura enfermeira.

 

A atuação profissional de Beatriz, no mercado de trabalho, começou justamente durante a pandemia, período em que a classe está sendo mais exigida e mais exposta à contaminação. Porém, a jovem frisa que o senso de responsabilidade fala mais alto do que o receio de uma possível contaminação.

“Em relação à pandemia, lamento a proporção que tomou e me compadeço dos pacientes que foram a óbito e das famílias enlutadas, procuro sempre lembrar que o paciente é o amor da vida de alguém. Particularmente, não sinto receio, escolhi a enfermagem e procuro exercê-la com muita responsabilidade, tomando os devidos cuidados para minha proteção e a do paciente”, frisa a estudante de enfermagem. 

E para manter-se o mais protegida possível, Beatriz segue à risca a cartilha de cuidados preconizada pelo HMRT. Na rotina do hospital, segundo ela, os cuidados estão sendo constantes e redobrados, desde o uso dos equipamentos de proteção individual, higienização das mãos com água e sabão, antissepsia através do uso do álcool em gel, até a desinfecção de superfícies e ambientes.

“A rotina hospitalar tem sido demasiadamente exaustiva para os enfermeiros de todas as regiões do Brasil, o desgaste físico e mental é evidente nos relatos concedidos pelos profissionais, acredito que tal desgaste só será assimilado depois que passar tudo isso”, pondera.

Mesmo assim, a estudante reitera o amor pela profissão em sua essência, sabendo que fez a escolha certa. “Acredito que o que mais me encanta na profissão é a troca entre paciente e enfermeiro(a), acompanhar a sua evolução, através dos cuidados prestados por uma equipe multiprofissional,  estabelecer um vínculo com ele e poder auxiliá-lo durante o processo de hospitalização”, destaca. 

 

O Dia da Enfermagem

A data lembra e homenageia o nascimento da britânica Florence Nightingale, uma pioneira da enfermagem moderna, que nasceu em 12 de maio de 1820. Nightingale foi uma jovem que se rebelou contra o papel submisso que as mulheres exerciam na sociedade de sua época, destinadas ao casamento e à maternidade. Por isso, ela se tornou enfermeira (profissão, normalmente, exercida por freiras). 

Ela se destacou por organizar e chefiar uma equipe de 38 enfermeiras voluntárias que partiram para o front da Guerra da Crimeia (1853-1856), onde tratavam dos soldados feridos. Depois, na volta ao seu país natal, também desenvolveu grandes esforços para melhorar as condições de tratamentos médicos dados a pobres e indigentes. 

Além disso, foi ela quem lutou para dar à atividade um caráter profissional, fundando a Escola de Enfermagem do Hospital St. Thomas, que, depois, receberia seu nome. Lá foram lançadas as bases do ensino de enfermagem e saíram as primeiras enfermeiras diplomadas.