Terca-Feira, 21 de Setembro de 2021

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Pomerode registra saldo positivo de empregos, em junho

Dados são do Ministério do Trabalho

6cdb9850498cb9bb688d1769025fe55f.jpg Foto: Arquivo JP

Nesta semana, o Ministério do Trabalho, através do novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados, o Caged, divulgou os números de demissões e admissões registradas no mês de junho, em todo o Brasil.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/ffd61332a4e29290e4edbdc12b3cf4f1.png https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/d71818c47d981bb85097e8de3648507e.jpg

 

Pela sexta vez consecutiva, Pomerode fechou o mês com saldo positivo no que diz respeito a empregos formais. Os dados, mostram que foram feitas 522 contratações, enquanto 448 pessoas foram desligadas de suas funções, o que totaliza um saldo positivo de 74 empregos.

No ano passado, segundo a base de dados do Caged, o município registrou 5.624 admissões e 5.674 demissões, terminando 2020 com saldo negativo de 50. Neste ano, nos últimos seis meses, Pomerode registrou 4.056 admissões e 2.998 demissões, totalizando um saldo positivo de 1.058.

Em SC

O mercado de trabalho está aquecido em Santa Catarina. Nos seis primeiros meses do ano, foram geradas 126.111 vagas de empregos formais no estado. Trata-se do terceiro melhor resultado do país no período. Somente em junho, o saldo ficou positivo em quase 15 mil. Em 12 meses, o resultado é ainda mais impressionante: foram criados 234.146 empregos formais em Santa Catarina. 

As dez cidades que mais geraram empregos no estado no primeiro semestre foram: Joinville (saldo de 10.838), Blumenau (9.763), São José (6.658), Itajaí (6.412), Chapecó (5.019), Jaraguá do Sul (4.881), Florianópolis (3.668), Brusque (3.465), Criciúma (3.302) e Tubarão (3.190). 

Na divisão por setores, o setor de serviços teve o melhor desempenho em junho, sendo responsável por 6.860 novos postos de trabalho. Na sequência, veio a indústria (5.822), o comércio (3.730), a construção (1.164) e a agricultura (125).