Segunda-Feira, 26 de Outubro de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Líder de facção criminosa no Pará é preso em Timbó

Homem estava foragido do Norte do país desde 2015 e foi localizado em Timbó há cerca de uma semana

94c999b34318985af7123a9ef6eeb53c.jpg Foto: Divulgação

Uma operação integrada entre as Polícias Civis de Santa Catarina e do Pará prendeu na manhã desta terça-feira (22) o líder de uma facção criminosa nacional que atuava no Pará e estava escondido em Timbó, no Médio Vale do Itajaí.

De acordo com informações da Polícia Civil, o homem de 30 anos está foragido do estado do Pará desde 2015. Há cerca de uma semana ele foi localizado em Timbó, depois de também ter ficado escondido em uma comunidade do Rio de Janeiro, segundo o delegado da Core (Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais) de SC, John Vieira.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/df6a593e901dc2117f843d0d51547b2b.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/4816b628a0b14735c6eae31e533c28c6.gif

 

Na operação foram cumpridos os três mandados de prisão expedidos pela Justiça contra ele, pelos crimes de organização criminosa, tráfico de drogas e homicídios.

Segundo a polícia, o homem também é suspeito de ordens para ataques e mortes de agentes e instituições de segurança pública no Pará. Durante a investigação, a Polícia Civil representou por um mandado de busca e apreensão no apartamento em que ele estava refugiado, no bairro Quintino, em Timbó, onde ele foi preso na manhã desta terça (22).

O delegado de Polícia Civil de Timbó, Raphael Werling, conta que a operação foi tranquila e o preso, que estava acompanhado da família,  não ofereceu resistência. Ele será encaminhado ao sistema prisional do Estado do Pará.

Integração

A operação teve integração de diversos setores das Polícias Civis catarinense e paraense. As duas instituições destacam que o trabalho integrado dos dois estados foi fundamental para a localização e prisão do criminoso.

Por Santa Catarina, participaram policiais da Diretoria de Inteligência, da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (Core), da Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Palhoça e da Delegacia de Polícia de Timbó. Pelo Pará, atuaram agentes do Núcleo de Inteligência e da Core.

Com informações da ND+