Quarta-Feira, 22 de Setembro de 2021

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Homem é condenado por júri popular a 21 anos pela morte da companheira em Blumenau

O crime aconteceu em outubro de 2019, na casa da vítima, localizada na rua Belvedere, no bairro Tribess.

aae3d0c52970401ef0368f64184da374.jpg Foto: Divulgação

O Tribunal do Júri da comarca de Blumenau condenou Carlos Erasmo Luiz dos Santos a 21 anos e quatro meses de reclusão, em regime fechado, pela morte da companheira. O crime que comoveu a comunidade blumenauense ocorreu em outubro de 2019 no bairro Tribess. O corpo da vítima, Marise Mette dos Santos, foi encontrado em avançado estado de putrefação, quando vizinhos começaram a sentir um cheiro forte que vinha da casa da vítima e acionaram a Polícia Militar.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/1c7731845aff525f30b91045a8aa2e55.jpg

 

O Conselho de Sentença, em sessão realizada na última quarta-feira (14/7), reconheceu que o réu praticou o crime por motivo torpe, emprego de asfixia, uso de recurso que dificultou a defesa da vítima e feminicídio. Ele não poderá recorrer da decisão em liberdade, uma vez que sua prisão ainda se faz necessária para a garantia da ordem pública.

Conforme denúncia do Ministério Público antes de consumar o assassinato, ele já teria ateado fogo à casa da vítima, promovido agressões e ameaçado matá-la. A vítima, que foi morta a facadas, já havia denunciado o companheiro por violência doméstica e ameaças. Após o crime, o réu fugiu para o Rio Grande do Sul, onde foi preso dias depois.

A sessão do Tribunal do Júri foi presidida pelo juiz Eduardo Passold Reis, da 1ª Vara Criminal da comarca de Blumenau. A acusação promovida pelo promotor de Justiça Odair Tramontin; e a defesa, pelo defensor público Arthur Herman Calabria Lundgren de Albuquerque. 

O júri popular ocorreu de portas fechadas, sem a presença do público,  em respeito às normas impostas por causa da pandemia de Covid-19. Da decisão, cabe recurso (Processo n. 5014115-10.2019.8.24.0008/SC).