Quarta-Feira, 08 de Abril de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

“Estou me adaptando com essa nova vida, mas não estou deixando de lado a cozinha”

Um nome que Pomerode conhece muito bem, principalmente, quando falamos nos personagens que fazem a nossa gastronomia local acontecer. Hanna-Lora Dahlke

dedad00b0d3de186ff2654268a64d328.jpg Foto: Arquivo Jornal de Pomerode

Um nome que Pomerode conhece muito bem, principalmente, quando falamos nos personagens que fazem a nossa gastronomia local acontecer. Hanna-Lora Dahlke, 60 anos, nasceu com um dom para cozinhar e fez com que essa habilidade virasse profissão, já que atuou por 30 anos na Rede Pública Municipal de Ensino, como merendeira. Isso, é claro, sem contar os deliciosos pães, bolos e cucas que fazem sucesso nas festas escolares, de igreja e, por muito tempo, na Festa Pomerana. Há quatro meses, Hanna-Lora está vivendo de maneira diferente, já que teve a sua perna amputada, por complicações do Diabetes. Porém, isso não foi um motivo para que ela parasse de botar em prática o seu dom de cozinhar.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/da5766e97c60e8759e4c3acec5c7284a.jpg

 

 

A rede pública de ensino

Vou fazer 30 anos de atuação como merendeira na Rede Pública Municipal de Ensino. Agora, estou um pouco afastada, devido à minha perna e a recuperação. Estou pensando na aposentadoria. Mesmo sentindo muita falta das crianças e colegas de trabalho da Olavo, quero viver mais com a minha família, daqui para frente.

 

A adaptação

Não está sendo fácil. Sempre fui uma pessoa ativa e passava o dia inteiro ocupada, e agora não, pois tenho todo o dia livre. Ando fazendo crochê, leio bastante, mas sinto falta de trabalhar. Já ando um pouco com o andador, mas para colocar a prótese, ainda vai demorar um pouco. Mas, sempre quando eu posso, eu estou na cozinha, fazendo o que eu mais gosto, porém, não com aquele mesmo pique de antigamente.

 

O amor pela cozinha

Eu amo cozinhar, gosto de fazer comida para os outros e fico muito feliz quando elas gostam, isso sempre me motivou a continuar como cozinheira, por um bom tempo. Agora, minha família é que irá me ajudar a continuar esse legado tão bonito que eu e meu marido construímos, para que essa nossa tradição da gastronomia nunca se perca.

 

Um time

Flamengo.

 

Uma inspiração

Meu marido e minha família.

 

Uma qualidade

Gostar de servir as outras pessoas.

 

Um defeito 

Não conseguir dizer “não”.

 

Prato preferido

Feijoada, ovo frito e salada de rabanete.

 

Uma motivação

Continuar viva, poder continuar com a família e manter inabalável a minha fé em Deus.

 

Um sonho

Poder andar novamente.

 

Quer ser o primeiro a receber as notícias de Pomerode e região pelo WhatsApp? Clique aqui.