Quinta-Feira, 04 de Junho de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Aos poucos, voltando à normalidade

Atendendo a recomendação do Governo e com os cuidados necessários, esporte começa a retomar sua rotina de treinamentos

1f26e9defe4b4d9d1304219caeaa4156.jpg Foto: Divulgação

Mesmo com algumas modalidades esportivas iniciando a sua volta às atividades, os cuidados com a saúde e higiene precisam ser redobrados. No entanto, especialistas defendem que a prática esportiva é uma aliada ao combate ao novo coronavírus. Por isso, nestes últimos dias, os esforços estão se concentrando em encontrar um meio termo, para que os atletas possam voltar à prática desportiva.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/da5766e97c60e8759e4c3acec5c7284a.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/b6557b3fc353d86e08085bfc422c0203.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/e0003bba15ccd6128c01f16b3f1cee47.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/9e2bb169f004a4f2d858e03c1e0721a4.jpg

 

Exemplo disso é o Voleibol pomerodense que, na verdade, não parou totalmente os seus treinamentos, uma vez que as atletas puderam se manter em forma, no conforto de seus lares. “Paramos, no dia 18 de março, com os treinos presenciais e iniciamos os treinamentos em casa. Montei diversos vídeos explicativos e mandei para as meninas, os quais, elas faziam e me mandavam de volta, para auxiliar nas correções. Com o retorno das academias, ficaria mais fácil realizar as atividades, porém, por cautela e preocupação dos pais, nem todas as atletas retornaram às atividades na academia e mantiveram os treinamentos nas suas residências”, destaca Duda Barth, técnica das categorias de base.

Segundo ela, os treinamentos em casa ajudam a manter as atletas ativas, porém, não atingem 100% do objetivo, por falta de carga, exercícios limitados, entre outros fatores. “O fato delas estarem em ambiente domiciliar e sem a minha supervisão, no momento da atividade, deixam o trabalho mais complicado. No entanto, o grupo é muito comprometido e está seguindo certinho o que vem sendo solicitado. E em algumas oportunidades, para quebrar um pouco a rotina e descontrair, estamos lançando desafios e brincadeiras, que envolvem amigos e familiares, numa tentativa de deixar esse distanciamento social menos chato e entediante”, comenta.

 

A modalidade de Voleibol possui, atualmente, 32 atletas, nas categorias Iniciante, Pré-Mirim, Mirim e Infantil. Para Duda, esta quarentena vem afetando o rendimento das atletas, pois, com as medidas restritivas impostas pelo Governo de SC, perdeu-se quase que 100% do contato com a bola. “O esporte coletivo precisa muito de entrosamento e volume de jogo entre as atletas, e isso, infelizmente, não conseguimos fazer com o distanciamento social. E sem uma previsão de calendário, não sei quanto tempo terei para prepará-las novamente, visando a primeira competição. Mas, já estou estudando uma maneira segura e que seja viável para todas as atletas”, finaliza.

 

Karatê reinicia atividades

No entanto, algumas modalidades puderam voltar aos treinamentos presenciais, como o caso do Karatê, que no último dia 04 de maio, retomou suas atividades, tanto no Clube Pomerode, centro da cidade, quanto em Testo Central.

Segundo o professor Erick Loth, a modalidade está seguindo à risca todas as medidas de segurança e higiene, colocadas no decreto do Governo do Estado. “Todos os alunos devem usar máscaras e higienizar-se com álcool a 70%, ao entrar e sair da academia. Além disso, os atletas estão vindo de casa já usando seus kimonos, assim, ninguém precisa utilizar os vestiários, e durante as aulas, é mantida a distância mínima de 1,5 metros entre os alunos”, destaca.

Outro detalhe importante é que as práticas não envolvem o contato físico. “As lutas e os exercícios em duplas não são feitos, pelas questões da transmissão da Covid-19. Por isso, estamos apenas realizando exercícios técnicos individualizados e treinos de Kata”, ressalta. “O psicológico é sempre é um desafio em qualquer área. Diante disso, procuramos conversar bastante com todos, mantendo-os calmos e, ao mesmo tempo, confiantes. Sabemos que toda essa problemática, em algum momento, vai passar e que sairemos dela mais fortalecidos”, completa Loth.

Conforme o professor, nem todos os alunos voltaram às atividades, mas ele acredita que essa situação deva se normalizar com o passar dos dias, pois os atletas sabem da importância da atividade física para a manutenção da saúde e fortalecimento do sistema imunológico. Por isso, a quarentena foi um período bastante difícil para o esporte, de uma maneira geral. “Não sabemos quando, oficialmente, as competições irão retornar. Tivemos um início de ano muito bom, no qual, os alunos estavam num ritmo de treino já bastante forte e muito bem concentrados aos objetivos que tínhamos para este ano.  Então, veio a quarentena. E, logicamente, isso acabou afetando o rendimento, pois nem todos tinham condições de manter seus treinos e exercícios em casa. Alguns alunos se mantiveram ativos em suas residências mas, com certeza, não é a mesma coisa que estar com seus colegas, treinando forte. Mas, como dito antes, aos poucos iremos retomar o ritmo, com bastante calma e perseverança, sempre tomando todos os cuidados necessários e respeitando todas as normas”, conclui.