Terca-Feira, 21 de Setembro de 2021

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

Ação beneficente arrecada mais de R$ 3 mil

Valor será destinado ao ex-atleta Max, para continuação de seu tratamento.

997ab0142e3e9a4c1784cc21096319db.jpg Foto: Divulgação

Neste domingo, 12 de setembro, o campo do Cruz de Malta, em Jaraguá do Sul, foi palco de uma ação solidária. Isso porque, em duas partidas de futebol, foram arrecadados R$ 3.735,00, para o custeio do tratamento do ex-atleta Marcos Rahn, o popular Max.

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/1c7731845aff525f30b91045a8aa2e55.jpg https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/ffd61332a4e29290e4edbdc12b3cf4f1.png https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/d71818c47d981bb85097e8de3648507e.jpg

 

No início do ano, ele passou por uma intervenção cirúrgica, para a retirada de um tumor que estava alojado em cima do pâncreas. E para que o seu tratamento continue, com diversos medicamentos diários, seu irmão Marinho, juntamente com os amigos Rafael Ramthun e Moisa, resolveram promover o evento beneficente.

Foram realizadas duas partidas: uma de futebol society, com amigos de Jaraguá do Sul; e entre Cruz de Malta e Marinho Sports, que terminou 2 a 0 para os donos da casa. “O valor, arrecadado entre os que participaram das partidas e proveniente de uma rifa, será muito importante para o Max, pois o tratamento é longo e ele precisa tomar grande quantidade de remédios, fibras e fortificantes, além de uma alimentação diferenciada”, destaca Marinho. O ganhador da rifa foi Paulinho Wolfart, que levou para casa uma bola.

 

Foto: Divulgação


 

A ação beneficente teve a participação de cerca de 40 pessoas. “Foi muito gratificante e importante, a participação dos amigos nessa causa. Sabemos que não é fácil passar por uma situação envolvendo a saúde, ainda mais se tratando de um câncer maligno. Por isso, agradecemos a todos que participaram desta ação, seja financeiramente, seja mandando mensagens de força. Além disso, quero enaltecer a parceria dos meus ‘irmãos’ Rafael e Moisa, por estarem comigo neste evento. Sabemos que para Deus nada é impossível e a oração tem um poder extraordinário. A fé em Deus e Jesus Cristo é o melhor tratamento para a cura dos homens”, finaliza o irmão de Max.

 

Time da Marinho Sports. Em pé: Jonny Rodrigues, Mauro, Adriano, Jota, Martinho Perna, Maia e Jandir. Agachados: Vandi, Caco, Enéas, Márcio Doege, Paulinho, Rafael, Marinho, Alex e Moisa  |  Foto: Divulgação


 

Conheça a história de Max

Uma pessoa muito conhecida no meio futebolístico, em nossa região, que nunca mediu esforços para ajudar os outros, agora, está precisando de auxílio. O ex-goleiro Marcos Rahn, o popular Max, vem se recuperando de uma cirurgia e necessita de uma série de medicamentos, para a continuação do seu tratamento.

Max passou por uma intervenção cirúrgica, no início do ano, para a retirada de um tumor que estava alojado em cima do pâncreas e, por conta da continuação de seu tratamento, ele necessita de uma série de medicamentos diários, o que vem se tornando oneroso para a família.

 

Foto: Arquivo pessoal


 

“O pessoal do Veteranos do Ribeirão Areia também já me ajudou, além de outros amigos, mas o tratamento precisa continuar. São cerca de 10 remédios diários, entre nutrientes, fibras, fortificantes, proteínas e vitaminas, além dos retornos a consultas e muitos deslocamentos de carro. Mas, graças a Deus, estamos nos recuperando e, com a força de grandes amigos, conquistados ao longo de tantos anos dentro do futebol, tenho a certeza de que passaremos por mais este obstáculo”, destaca Max.

Apesar de todas as dificuldades enfrentadas até aqui, além da cirurgia propriamente dita, o ex-atleta tem na família o seu esteio para que possa continuar firme nesta caminhada.

“Após passar pelo procedimento, ficar internado por 10 dias, entre eles, dois na UTI, pouco tempo depois precisei voltar ao hospital, por conta de complicações pós-operatórias. E lá se foram mais oito dias internado, até que a situação se estabilizasse. Na sequência, estavam marcadas 12 sessões de quimioterapia e eu só consegui realizar quatro delas. E tudo isso, em meio a uma pandemia que, naquela altura, estava em seu ápice. Mas, com muita fé em Deus, consegui passar por tudo isso e estou aqui, me recuperando. Mas nada disso seria possível sem a ajuda da minha família, principalmente, da minha esposa Marli, que me acompanhou o tempo todo. Por muitos dias, ela não chegou a dormir, cuidando e me auxiliando, da melhor forma possível. Posso dizer que ela foi uma das peças chave para minha recuperação”, finaliza o ex-atleta.

 



Tags: