Sexta-Feira, 27 de Novembro de 2020

facebook_icon

Hoje: Máx 30Cº / Min 19°C

Siga a gente -

Jornal de Pomerode

Edição Impressa

icon_user

A única representante feminina da Câmara

Cleide Kamchen, mais votada da cidade e também a única mulher entre os nove vereadores, fala sobre as projeções para os próximos quatro anos

0a06253eebfedb614fcd920fba92ba2c.jpg Foto: Raphael Carrasco/JP

Na segunda vez como candidata, Cleide Kamchen, advogada pomerodense, teve o feito de ser a vereadora mais votada da cidade, com 878 votos. Com 46 anos, após ter sido eleita como suplente, nas eleições de 2016, Cleide será a única representante feminina na Câmara de Vereadores de Pomerode. E, ela abre a nossa série de entrevistas, com os novos nomes do legislativo pomerodense que estarão na gestão de 2021 a 2024. Confira na íntegra!

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
https://jornaldepomerode.com.br/novo/midia/banners/banner_808x164/ba290eb7789e090794d0e2a06f4f550a.jpg

 

Jornal de PomerodeComo é para você ser a única representante feminina na Câmara e mais votada na cidade?

Cleide Kamchen Eu imaginei que poderíamos ter mais mulheres eleitas nessas Eleições de 2020. Esperava que poderíamos ter três representantes femininas no Legislativo municipal, para os próximos quatro anos. Fico feliz por estar lá, mas acho que essa cultura do sexismo, não só em Pomerode, mas em nível nacional, precisa ser mudada, pois há ainda muita desigualdade e falta de espaço ao público feminino. E, na política não é diferente e tudo isso precisa ser bem trabalhado, para que possamos difundir com mais profundidade as mulheres na política. A mulher tem um olhar sensível, detalhista e ela é muito guerreira, e ao mesmo tempo, ela é trabalhadora, mãe, esposa. 

 

JPVocê esperava ser a mais votada da cidade?

CK Eu fiquei muito surpresa! Em 2016, éramos em 65 candidatos e eu fiz 614 votos. Então, coloquei na cabeça: estou em um partido adversário da coligação principal e se na outra época eram 65 e passaram para quase 110 e por não ser uma “cara nova” da política, pensava que meus votos seriam mais reduzidos em relação à 2016. E, quando saiu o resultado, eu me surpreendi. Tivemos 45% de aumento em relação à eleição passada. É um número expressivo e gratificante.

 

JP - A influência política na família ajudou você a entrar neste ramo?

CK A minha família, como um todo, meu avô, Henrique Francisco Guilherme Kamchen, e também meu pai, Valmor Kamchen, sempre foram envolvidos com a política. Meu pai não foi somente candidato, ele trabalhou muito mais na parte da estratégia política, pois estava muito nos bastidores, vendo o que poderia melhorar para a nossa cidade. Quando éramos pequenos, tínhamos uma limitação e depois que a gente começa a entender sobre, a gente acaba tendo uma melhor noção. Minha mãe foi o principal “Cabo Eleitoral” do meu pai, quando se candidatou em 1982 e acompanhei tudo isso. E, logo aos 16, comecei a me engajar, ajudando e apoiando candidatos para se elegerem. Então, em 2016, decidi entrar e “meter a cara”, consegui ser suplente e aprendi muita coisa durante esse período.

 

JPQuais serão os maiores desafios durante os próximos quatro anos?

CKO maior desafio é a harmonia política, tanto com o Legislativo e Executivo. O Executivo não se restringe só ao prefeito, pois há equipes técnicas de planejamento, meio ambiente, obras, enfim, as mais diversas secretarias. É necessário esse diálogo e eu acredito que ocorreu uma renovação de pessoas e nisso espero que também venha a renovação de práticas e ideias. Já parabenizei todos os vereadores eleitos, o prefeito Ércio, pois temos que ter esse respeito e buscar o diálogo, mesmo tendo ideologias diferentes, o debate precisa ficar no campo das ideias, pois temos uma cidade a construir e desenvolver.

 

 

JP E quais serão as suas maiores bandeiras?

CK Temos que, primeiro, verificar quais são os pedidos da população, para que possamos priorizar algo em específico. Temos que ver o que é mais importante, selecionar o que realmente pode ser pode feito, de acordo com o que se tem de verba pública para resolver esses problemas. O enxugamento da máquina pública também será uma das minhas prioridades. Irei cobrar, também, por cargos comissionados com experiência, para trazer transparência e eficiência; a causa animal também irei colocar em pauta, cobrar ações e fatos concretos sobre o saneamento básico e tudo mais.

 

JPComo você irá dividir sua rotina entre profissional de direito e vereadora?

CK Quando coloquei meu nome à disposição, já havia declarado que, se tivesse êxito na eleição, ao invés de trabalhar cinco dias por semana, no escritório, devo exercer minha função de dois a três dias da semana e focar o restante à vereança. Os projetos precisam ser bem analisados, fiscalizar os contratos, ter contato com a população e utilizar a minha experiência como advogada para que tudo seja feito com a maior transparência possível.

 

JP Como as pessoas podem encontrar você e qual o recado que você deixa à comunidade?

CKQuando estiver na Câmara, a população de Pomerode pode me procurar por lá, para que possamos conversar. Caso não, estou aberta ao diálogo através do WhatsApp, ou nas minhas redes sociais, que estarei lá para atender. Quero agradecer a todas as pessoas que votaram em mim e, também, a toda comunidade de Pomerode, pelo carinho que recebi durante toda a campanha. Espero exercer, da melhor forma, o meu mandato nos próximos quatro anos.