Esporte

Das cavalgadas por lazer até chegar nas competições com cavalos

Emanueli Danker conta como surgiu a paixão por equinos e também da experiência em participar da primeira final em competição, fora de SC

28 de janeiro de 2024

Foto: Raphael Carrasco / JP

Paixão e o contato com os animais sempre foram e ainda são presentes na vida de Emanueli Danker.

Nascida e criada na Vila Itoupava, a jovem de 22 anos, desde pequena, reside na área rural e atualmente trabalha no Centro de Pomerode. Neste ano, veio o primeiro desafio, na sua primeira participação em uma final, no Campeonato Brasileiro de Movimiento La Rienda, no Rio Grande do Sul.

Mas, deixaremos para falar sobre o evento, um pouco mais a frente, nesta matéria. Antes de tudo, durante a infância, Emanueli já tinha contato com os cavalos de carroça. Na adolescência, conheceu Gabriel Manzke, que ajuda a cuidar dos animais. Ele também possui uma ligação forte com os cavalos e motivou, ainda mais, para que a jovem tivesse mais contato com os animais, principalmente, para cavalgadas.

O tempo foi passando e a criação de cavalos foi aumentando e com isso, a família resolveu abrir a própria cabanha, para cuidar da melhor forma possível das éguas de criação, tanto das competições e também os cavalos das cavalgadas, para o lazer.

Antes de começar a competir, Emanueli participava de cavalgadas e antes de trabalhar em Pomerode, passava mais tempo ajudando Gabriel a cuidar dos animais. E, durante os finais de semana, ambos aproveitavam para acampar e participar de eventos relacionados a cavalgadas. E, a questão das competições apareceu de uma hora para outra na vida da jovem. Em janeiro deste ano, fez um curso com uma popular domadora de cavalos, chamada Simone Rocha.

Lá, por dois dias, Emanueli começou a ganhar experiência, treinando no Centro de Treinamento Jairo Rodrigues, uma das referências no ramo das competições Movimiento La Rienda.

“Quando eu fui para fazer o curso, era para aprender o básico para fazer uma prova. Depois, veio a primeira oportunidade de participar de uma competição. Teve uma, na Cabanha Mapuche, aqui entre Pomerode e Blumenau. Como minha égua já era bem treinada tinha o domínio das manobras, tive uma motivação maior. Treinei quase 15 dias, saia do trabalho, ia para Jaraguá treinar e depois voltava para casa. Foi bem cansativo, dias produtivos, outros não tantos”, conta.

No dia da prova, Emanueli teve a companhia das amigas Bianca e Jarlene. Quando participou da competição na Mapuche, a jovem tinha intenção de apenas participar, já que era a primeira experiência oficial em uma prova. Porém, a surpresa grata já veio logo “de cara”, já que Emanueli conseguiu o primeiro lugar de sua categoria, garantindo sua vaga para a final do Brasileiro de Movimiento La Rienda, no RS.

“Eu tive uma pontuação boa e por isso garanti a vaga. Foi um momento bem especial, pois foi a primeira experiência que tive. Não esperava um resultado tão expressivo, porém, percebi que após esse contato inicial com as provas, fiquei ainda mais com vontade de participar de mais e mais competições. Abriram-se mais portas para seguir uma carreira mais longa, no futuro”, comenta a jovem.

Foto: IVANA DA MAIA FOTOGRAFIAS

No fim do mês de outubro, chegou a hora de participar do Campeonato Brasileiro de Movimiento La Rienda, na cidade de Esteio, no Rio Grande do Sul.

Emanueli conta que foram dias de muita ansiedade e também de muito apoio de patrocinadores, amigos e família, que ajudaram a garantir a inscrição da jovem na sua primeira competição a nível nacional. A jovem conta que a sua prova era em uma quarta-feira, porém, a viagem já começou na segunda. Chegando no local do evento, no Parque de Exposições Assis Brasil, o nervosismo e ansiedade começaram a chegar e se fazer presentes na jovem.

“Nós tínhamos alguns poucos momentos de treinamentos. Eu estava nervosa e ansiosa, pois aconteceu tudo muito rápido, tudo aconteceu neste ano. Quando chegou o dia da prova, quando entrei em pista e fiquei no ‘aquecimento’, comecei a olhar ao redor e vi câmeras, pessoas assistindo e isso também me trouxe um pouco mais de nervosismo”, relata.

Na primeira experiência, Emanueli ressalta que não foi o melhor resultado que gostaria de ter conquistado, porém, para o ano que vem, já tem ainda mais motivação para participar de mais provas, utilizando parte de seu tempo, aperfeiçoando as manobras e treinando para obter mais conquistas ao longo de sua vida, já que a jovem planeja continuar por muito tempo, no ramo das competições equinas.

“O resultado não foi o melhor de todos. O nervosismo bateu forte e não tive uma boa pontuação. Mas acredito que isso será de extrema importância para eu aprender e no futuro colher bons frutos. Como disse, tudo foi muito rápido, mas só de estar ali participando em um campeonato importante e difícil, logo no primeiro ano em que eu marquei presença em competições, já é algo que com certeza ficará para sempre na minha vida”, finaliza.

Foto: Arquivo pessoal

 

Arte: Raphael Carrasco / JP

 

Notícias relacionadas